Beja

letras soltas

Maria João

De branco, vermelho e preto
te ergues em rasos campos dourados
com a tua imponente torre
dum castelo outrora habitado
Gentes de rosto carregado
peles rugosas do sol
mãos ásperas de trabalho
da ceifa até ao pôr do sol
Assim te vejo ao longe
perdida nas tuas ruas
tão estreitas e luminosas
vazias de gente, nuas
Cidade minha
que corre nas minhas veias
que alimenta a minha alma
as minhas memórias
me traz a paz, o abrigo
o cheiro e o bafo quente
deste Alentejo por mim amado e querido…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s