Love is the drug

O amor à sexta-feira!

Nádia Mira

As dependências têm como característica central a falta de controlo do impulso que leva o indivíduo a consumir uma substância, de forma contínua ou periódica, para obter prazer ou satisfação, colocando não parcas vezes em causa o seu bem-estar físico e emocional.

Só quem nunca se apaixonou pode duvidar que o amor é uma das drogas que maior dependência causa. Quem o sabe, e não tem dúvidas em proclamá-lo, é Bryan Ferry.

“Love Is the drug” é um single de 1975 do álbum “Siren”, quinto álbum de estúdio da banda inglesa Roxy Music.

O tema é certamente um dos mais populares dos Roxy Music, alcançando o número dois do “Singles Chart” no Reino Unido, apenas mantido fora do topo com o relançamento de “Space Oddity”, de David Bowie. Mais tarde, em 1981, os Roxy Music alcançariam o primeiro lugar da tabela com a cover de “Jealous Guy” de John Lennon.

“Love is the drug” foi a confirmação da brilhante e inimitável capacidade dos Roxy Music criarem um ambiente superlativo de romance lúbrico.

A ideia da música começou com um instrumental de Andy Mackay (saxofonista da banda) sendo Bryan Ferry o responsável por criar a letra. Tanto lírica como musicalmente “Love is the drug” emana uma certa elegância decadente que é fácil encontrar à sexta à noite.

A cativante batida metálica foi atmosfericamente compensada por uma envolvente linha de saxofone que, estranhamente, combina na perfeição com a alegre discórdia das urbanas buzinas que pontuam a canção. Porém, em “Love is the drug” é a pulsante linha de baixo, a cargo de John Gustafson, que sobressai e se afirma como coluna vertebral da canção.

A música é uma das incluídas na seleção “The Rock and Roll Hall of Fame’s 500 Songs that Shaped Rock and Roll” e a sua linha de baixo figura no vigésimo sexto lugar da lista “Top 50 Basslines of All Time” divulgada em 2005 pela revista Stylus.

“Love is the drug” remete-nos para a interminável e cinematográfica emoção da vida e do amor nas ruas da cidade e soa a carros a partir e a luz púrpura, a olhares provocantes e a gins tónicos, ao virar de esquinas e a encontros de casa de banho, soa a amor e soa a urgência.

É sexta-feira, evitemos a ressaca da abstinência e entreguemo-nos ao impulso em doses excessivas… porque no amor não haverá nunca lugar para terapêuticas de substituição!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s