Nada Será Como Antes *

carrossel dos esquisitos

Ana Ademar

Ana Ademar||Expoente M Rádio

Todos os tempos são históricos, mas uns são mais que outros e estes que vivemos, são-no especialmente.

Em pouco mais de 4 meses vivemos com um vírus que ainda não se conhece convenientemente; ficámos em confinamento, o que significou para todos mudanças radicais nos hábitos e rotinas; alimentámos a esperança e o medo com notícias e conclusões científicas que são desmentidas no dia seguinte; vivemos um desconfinamento a passo lento, onde as rotinas e hábitos têm de ser novamente alterados; sentimos a impaciência de que volte tudo a ser o que era e a desconfiança de que nada será como antes (não porque as coisas eram impecáveis, mas porque era como as conhecíamos e o novo e o diferente assustam sempre). Não tivemos  tempo ou distância suficientes para analisarmos o impacto das mudanças radicais na forma como vivemos o quotidiano. E contaminados com medo, não só da doença, mas agora das suas consequências na sociedade, estamos expectantes. Paralisados. À espera.

No meio de tudo isto, George Floyd morre tragicamente. Morre de homicídio. E George Floyd foi, a meu ver, (que é um ver muito ignorante no que toca à sociedade americana em geral e à vida da comunidade negra – lá ou cá) foi a gota de água que fez transbordar o copo. E porque foi filmado e pudemos todos assistir à morte de um homem às mãos (aos joelhos, para ser exacta) de quem tem por primeira obrigação ser a salvaguarda dos cidadãos, todos nos sentimos chocados e traídos.

No meu caso senti o choque de ver a postura orgulhosa e cobarde de um homem enquanto sufoca outro. O choque de ver a absoluta conivência dos colegas. E para ser sincera, o choque pela absoluta inércia de quem assistia e filmou (e bem!). Como é que se explica isto? Não falo de um acto heróico consciente, falo de um acto irracional, de um instinto que é suposto termos quando vemos alguém a ser maltratado. Mas se calhar não é altura de nos questionarmos enquanto sociedade, enquanto cidadãos e à nossa (cada vez maior, parece-me) falta de empatia.

Ou é?

Deixemos de lado a realidade americana e olhemos aqui para o nosso cantinho. Os nossos bons e brandos costumes, a profunda crença de que somos um país de boas pessoas onde coisas tão feias como o racismo, não existem. Gostamos todos dos negros, dos indianos, dos romenos, dos paquistaneses, dos ciganos. Tratamo-los bem, desde que se portem bem. Que a condescendência com que lhes falamos não é porque, em algum sítio cá dentro, os vemos como inferiores. E seja ou não resultado do ADN proveniente de um antepassado colonialista, é tempo de enfrentarmos que acontece e o que podemos fazer em relação a isso.

Não falo dos movimentos de extrema-direita que andam aí, que sempre andaram e que matam, por exemplo Alcindo Monteiro e José Carvalho. Noutra altura o farei. Agora falo de mim, de gente de bem, de gente, que mesmo sem saber, guarda lá dentro um colonialistazinho que sai cá fora e dá um olá à assistência sem que nos apercebamos. 

Vamos lá a ser francos, basta uma curta visita à rede social mais perto e entre as reacções aos protestos encontramos o: “txiii que exagero” e o “e não se preocupam com o Covid?!” e o mais directo “deviam ir para a vossa terra”. Da última não falarei, como já referi, quero falar da gente de bem que sei que aí anda e só está mal informada. Portanto o primeiro tipo de reacção é o da malta que anda a dormir e jura a pés juntos que o racismo é uma coisa da América e que cá não temos disso. A segunda reacção é a da malta que também anda a dormir e não entende a urgência das coisas que não podem esperar. Mais.

* música de Milton Nascimento muito bem interpretada pelo próprio, mas pela Elis Regina ganha todo um outro sabor…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s