De Lisboa a Saigão

IMG_20201203_150129

 

 

 

A Louca da Casa

Carmo Miranda Machado

O meu último livro, Solidão D´ Amor e Ópio – De Lisboa a Saigão, Colibri, foi escrito de rajada entre várias viagens intercontinentais. Deixo-vos, hoje, um pequeno excerto deste livro cujas personagens entraram em mim como se fossem família. Ofereço-vos estes excertos do livro como forma de vos aguçar a curiosidade.

6

          O ópio é um relógio sem ponteiros. Os cachimbos de Saigão são o melhor ópio do mundo. Conto com os seus caminhos tortuosos para viver. Estou completamente só. Como sempre estive. Passo as noites acordado e os dias adormecido. Há uma força inconfundível nesta droga.

          O ópio alcatifa-me os dias. Suaves e aveludados, vão-me encurralado neste parque de emoções. Fumar ópio é sempre pouco e é demais. (…)

           Aprendi a custo que nada se pode deixar ao acaso no muro dos equilíbrios. Verdade que há poucos sonhos brancos e finais felizes (…).O ópio leva-me a um lugar sagrado onde me descubro por dentro com serenidade e lentidão. Agarro a possibilidade da luz. Transformo tudo o que ainda posso. Dou o último grito. E salto para o outro lado. Tarde demais. Hesito ainda… E bastou esse segundo de hesitação para aquele quarto me arrebatar para sempre. (…) Envolto neste véu de nevoeiro. Eu já não fumo ópio, o ópio fuma-me a mim.

            Já não chegam notícias dos dias em que partiam todos, novos e velhos, homens e mulheres, deixando Saigão abandonada ao vento. Não. A guerra do Vietname terminou. E eu já não sou correspondente de guerra. Pelo menos dentro de mim, não há bombardeiros B-52 a sobrevoara cidade. Nem continuam a cair bombas do céu. Deixei de ser um rato dos túneis de Cu Chi. Agora já consigo adormecer. Devo a Saigão a minha cura. Devo a Saigão a minha paz.

Resta apenas uma vertiginosa nostalgia a devorar-me.

            Um escorregar sem remorsos.

            Uma serenidade.

            Um pequeno retraimento.

           Um aroma familiar.

            Uma força.

            Um ligeiro estremecimento.

            Um biombo de fumo protege-me da cidade.

            E nada mais.

            A noite arrefeceu levemente o lume enquanto a humidade crescia. Não há vento. Nunca há vento em Saigão. Lá fora, apenas uma brisa sussurra, indefinível.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s