Entrelaçados na mudança

Do inverno das coisas ao poente do infinito

Ana Fafe

A primavera é a estação da sua preferência. Altura em que as flores desabrocham para celebrar a poesia, mostrando que entre março e abril, repetidamente, estamos entrelaçados na mudança. E só o inevitável se toca!…

O ritmo dos homens e o das coisas naturais não se cruzam. Os caminhos fazem-se no mesmo espaço e tempo, mas as finalidades são servidas com muros. Não é bom para quem gosta de tudo no sítio perceber que todos os anos a natureza lhe prega, sempre, a mesma partida.

Março é o primeiro e tudo renasce. Abril é revolução e campos de pontos vermelhos no ventre. Segue assim, a mãe de todas as coisas o seu trajeto mesmo que os destinos não agradem. Pois não aprecia ser vigiada, adulterada, encarcerada, apontada, moldada, enganada…

Os tempos são novos. E na planície verde, roxa, amarela e branca, em tons primaveris… não se vislumbra o passar da pandemia. A dos homens? A das coisas?

Mesmo que não se queira, o rio corre e as águas lavam as pedras dos que as colocaram nas estradas dos inconformados.

Ninguém trava a natureza de quem é inquieto na vida. Esta é, talvez, a ocasião em que tudo converge para o encantamento dos entrelaçados na mudança.

E porque “quero poisar na seara dos teus dias, como uma abelha pousa numa rosa”, tal como diz o poema de António Sérgio, sublinho que é inevitável para quem tem março no sangue não se renovar no calor dos primeiros raios de sol…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s