2021 – Outro ano para valentes

PHOTO-2021-05-27-14-46-40

A Louca da Casa

         Carmo Miranda Machado

Destes dois anos fica a maior das aprendizagens desse currículo oculto que é a vida: a consciência de que, num instante, tudo pode mudar.

Quando as escolas encerraram em março de 2020 foi um choque. E agora? Como vamos fazer? Professores, alunos, pais e encarregados de educação entraram numa estrada desconhecida que ninguém sabia onde nos levaria. De imediato começaram as variadas formas de tentar chegar aos alunos. Utilizei-as todas: mail, telefone, whatsapp, instagram, facebook e, uns dias mais tarde, as plataformas de ensino digital, primeiro Zoom e depois Teams. Todo um mundo novo se revelava e foi incrível a forma como a escola se reinventou de um dia para o outro. Corremos a comprar mesas digitais, pens, houve mesmo quem tivesse comprado computadores… Missão: mantermos os alunos ligados à escola.

Como é que este ano de 2020 nos afetou? Para já, é impossível saber que consequências virão deste estranho ano. Quanto ao ano de 2021, no que aos professores e aos alunos diz respeito, como diretora de turma, verifiquei que o ensino digital provocou crises de ansiedade e estados depressivos perante a necessidade de adaptação a uma realidade estranha e inesperada. O trabalho realizado em ambiente doméstico – repleto de elementos distratores – não favoreceu as aprendizagens e, em muitos casos, não teve um acompanhamento parental adequado. A escola, como sabemos, reflete a sociedade e, em determinados contextos socioculturais, a escola digital pode não ter sido o sucesso de que alguns teimam em apregoar. Esta falta de acompanhamento e a ausência de rotinas trouxeram consigo um aumento muito significativo do número de horas dedicadas às redes sociais e aos videojogos que, em muitos casos, causaram uma verdadeira adição. A adaptação à escola digital deixou em todos nós – não apenas nos alunos – um rasto de cansaço e de alguma desilusão. Contudo, é indiscutível que houve uma mudança de paradigma e que a escola pós-covid é uma escola diferente.

A escola, como sabemos, reflete a sociedade e, em determinados contextos socioculturais, a escola digital pode não ter sido o sucesso de que alguns teimam em apregoar. Frustração e impotência foram recorrentes ao longo do ano 2020. Os constrangimentos de ordem tecnológica foram os mais frequentes e tive dias em que me apeteceu atirar o computador pela janela…. Depois, a sobrecarga de tarefas, os mails da direção, dos alunos, dos colegas, dos pais e encarregados de educação sucediam-se a uma velocidade louca. Enquanto diretora de turma, as questões de ordem burocrática e a necessidade de gerir os casos de alunos ou de familiares infetados por Covid-19 foram uma segunda pandemia.

Ao fazer o balanço deste ano nas escolas, constato com facilidade a enorme capacidade de superação revelada por todos, tanto no cumprimento das regras impostas aquando do regresso à escola presencial, como antes. A resiliência dos miúdos foi – durante os meses de confinamento – notória e determinante. Recordo-me de uma aluna me ter escrito, quando lhe pedi um depoimento sobre a sua experiência: Foram aulas em pijama, sentada no sofá com a taça de cereais no colo. Dito assim, parece magnífico, não é? Mas não… foram os piores dias, meses, desde que me lembro de existir…

Que perdas e que aprendizagens ficam deste ano? Deste ano e do anterior, fica a maior das aprendizagens desse currículo oculto que é a vida: a consciência de que, num instante, tudo pode mudar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s