Que Medos nos Movem?

PHOTO-2021-06-07-23-39-43

Marias

Leopoldina Pina de Almeida

Esta publicação poderia começar por… Numa pacata cidade alentejana… Isto, na altura em que eu pensava que o EntreMarias de junho seria sobre sugestões de brincadeiras ao ar livre para as férias d@s mais pequen@s. Para desconfinar, para confiar, para sair para a rua. Mas, isso foi antes. Há poucos dias, mas muito antes… Entretanto, o nevoeiro que cobria a cidade começou a dissipar-se. Leve, não incomodava nada a respiração e apresentava-se sob uma aparência singularmente opaca. Aliás, aquele nevoeiro tinha um cheiro doce a damasco tuberculoso e devia matar os odores pessoais (Boris Vian, O Amor é Cego).

Ao contrário do final deste conto, em que a vida pôde continuar a ser feliz visto que todos tinham rebentado os olhos, nesta cidade o espaço vazio deixado pelo nevoeiro começou a ser ocupado pelo Medo. Um Medo que entrou pelos olhos expostos durante longas horas a ecrãs e se foi espalhando por todo o corpo. O Medo alojava-se principalmente nos corpos das mulheres e das raparigas, quando entravam em contacto visual com desconhecidos do género masculino, de aparência diferente dos seus pais, amigos ou irmãos e que falavam de modo estranho. Mas este Medo tomou outras formas. Mais redondas e delicadas. As próprias raparigas e mulheres possuídas pelo Medo passaram a transportá-lo nos seus corpos e apesar de tentarem a todo o custo esconde-lo, ele teimava em sair-lhes de forma explicita pelas saias justas, decotes generosos e maquilhagens sugestivas. Era como se o medo se tivesse voltado ao contrário. Como um vírus, tinha-se metamorfoseado, estava em transição. E foi assim que alguns homens também começaram a sentir o Medo. E @s idos@s, @s professor@s, famílias inteiras. Até as crianças.

E aqui estamos. Em Beja. Beja a tremer. Quase a desmoronar-se. De Medo. A exorcizar os seus demónios, que estavam escondidos por entre o nevoeiro. Na minha opinião, a maior parte das pessoas que contribuíram para estes movimentos do Medo em Beja, subvalorizaram o impacte que iriam ter. Mas isto é a rede, senhoras e senhores. As redes têm fios, está tudo ligado. É só começar a desenrolar…. Perde-se o fio à meada. Falou-se na segurança. Seria mesmo essa a principal questão? O nevoeiro dissipou-se rapidamente e começamos a ver cada vez melhor. Muit@s atribuíram a culpa (o que quer que isso seja) aos outros, aos migrantes, aos mais diferentes, aos já tão fragilizados. Até para esconder o medo que temos de nós e dos nossos. Sem nos questionarmos porque é que essa população estrangeira e pobre está aqui no Alentejo. Será para violar as mulheres e as raparigas, ou simplesmente para sobreviver, para fazer um trabalho mal pago, que enriquece tão pouc@s e sempre @s mesm@s?

Muitas imagens e emoções me vieram à cabeça nestes últimos dias. Acontecimentos que se tinham passado na minha adolescência e que eu pensava ter já apagado da memória. Basta começar a puxar o fio à meada…. Sei que com outras mulheres se passou o mesmo. Estamos a precisar de falar. Cara a cara, olhos nos olhos. Todas crescemos a perceber o poder e o efeito do corpo feminino no outro, no confronto com o outro. Corpo-manifesto-corpo-desejo-corpo-sujo-corpo-bandeira-corpo-mascarado-corpo-idolatrado-corpo-grito-corpo-silêncio-corpo-virgem-corpo-usado-corpo-utilizado-corpo-descartado-corpo-abusado. Corpo. Só. Todas nós temos estórias para ouvir e para contar. Mas para isso, é importante haver espaços e tempos de convergência, onde nos sintamos seguras para falar dos nossos medos, para que a sua visibilidade os faça diminuir quando os encaramos de frente e não barricadas atrás de um ecrã, distribuindo gostos, escárnio e maldizer de formas muitas vezes inconscientes e indiscriminadas, sentindo-nos falsamente protegidas.

Ultrapassar o medo é investigar, conhecer, nomear, descobrir as suas origens. Penso que não é o medo que devemos temer. O medo é uma estratégia saudável para lidar com o perigo. É nosso aliado. Devemos acolhê-lo e respeitá-lo. Mas estou bastante consciente do aproveitamento que estes medos têm e dos interesses de quem os promove meticulosamente, de forma a poder controlar massas de gente medrosa à espera de um qualquer salvador que as venha libertar do mal e dos demónios que (não) são os outros. E não tenho dúvidas que é a criação de comunidades reais e com sentido de pertença que nos pode ajudar a ultrapassar em conjunto os nossos medos. Outras redes. Redes para além de sociais. Redes solidárias com pessoas reais.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s