Baloiço de corda

Maria Campaniça Celina Nobre Houve uma época em que nasciam baloiços de corda, nas azinheiras, onde as crianças se divertiam, empurradas pelos sonhos. A escola era cheia de crucifixos e de fotos sépia, emolduras em madeira, imbuídas de tempo, que iam sendo, lentamente, roídas pelos bichos. Nessa altura, as meninas usavam laços brancos no cabelo. … Continuar a ler Baloiço de corda

Manhãs claras

  Do inverno das coisas ao poente do infinito Ana Fafe Há quem viva preso no passado. Outros têm nos dias que passam a perspetiva do futuro. E depois há o presente!... E as notícias dizem que desde 1993 que não havia memória de uma taxa de inflação tão elevada. Foi preciso recuar ao século … Continuar a ler Manhãs claras