Universo Sou Eu

Laboratório de (des)construção poética

Marias

Leopoldina Pina de Almeida

A poesia veste-se com imagens longas e soltas e vagueia por todos os nossos lugares. Passeia em círculos pelo desconforto acumulado dos corpos e diverte-se a desafiar as suas arestas mais cansadas. Vai libertando os espaços que foram deixados ao abandono. Concentra-se nos tecidos que estão em pausa. Dilui-se no plasma repetido dos dias. Por isso, por vezes não saboreamos a sua textura. Não inalamos os seus líquidos. Ruidosos monólogos internos afastam-nos do seu odor. Nessas alturas ela torna-se transparente e escorregadia, esfuma-se sem passar pela língua, evapora-se no frio contraído dos nossos poros.

Se respirarmos devagar, a sua melodia regressa de longe, com o vento quente das gargalhadas, a brisa azul dos pássaros e o ar imóvel dos olhares prolongados. Confunde-nos ao ser tão simples. Mistura com risos o toque dos sentidos e tatua-se com riscos no avesso da pele. Está ali, à espera de ser descoberta com um mergulho despido para o interior de nós. Quase sem fazer agitar as águas. Um rasgar sem som. Apenas umas gotas saltam da superfície polida. Salto mais que perfeito.

É este reencontro que vamos propor em julho. Como vem sendo hábito há mais de uma década, as LdE vão dedicar este mês à Poesia, com o ciclo 1 actor 1 músico, dirigido este ano pela Inês Minor. Por detrás de cada uma das 4 performances propostas, todas as quintas e sextas-feiras na Galeria do Desassossego, há sempre um trabalho de (des)construção poética. Este ano vamos aproximar-nos e aprofundar este trabalho, partindo da performance Universo Sou Eu, uma proposta de exploração do cosmos poético de António Gedeão, a apresentar pela atriz Inês Romão. Este laboratório EntreMarias vai simultaneamente encerrar este ciclo de Poesia e permitir-nos mergulhar suavemente nele. E podemos escolher várias formas de o fazer. Deixar-nos levar pelo sonho que é sinfonia, máscara grega, magia e retorta de alquimista, da Pedra Filosofal ou perturbarmo-nos com tudo o que cabe dentro de nós, que somos parte do todo, como no Poema da Eterna Presença.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s