Não se pode estar direito

carrossel dos esquisitos

Ana Ademar

«Não se pode estar direito
Quando se tem a espinha torta»*

 Sou uma pessoa que boicota coisas quando se sente ofendida. Vejo o boicote como uma das poucas formas de luta individual que está ao alcance de pessoas como eu: cidadãos de pleno direito, mas com um muito ridículo poder de compra e nenhum poder de influência.

Neste processo de adultar em que ainda me encontro (não sei se algum dia lá chegarei) uma das coisas que mais confusão me faz, é a sensação de que o mundo está de tal forma do avesso que entendemos o erro propositado como normal. Mesmo quando este erro tem consequências nefastas na vida de pessoas e tem como única meta o lucro.

A ganância comanda o mundo e nós, os consumidores com poder de compra risível e sem nenhum poder de influência, encaramos como normal que se deixe morrer gente se o objectivo for fazer mais uns cobres, mais uns ricos ou os ricos ainda mais ricos. Parafraseando Desmond Tutu, quando damos de caras com uma injustiça e resolvemos assobiar para o lado, estamos a tomar o partido do opressor.

Tenho uma estratégia, boa ou má, ainda não sei: se descubro que afinal, a Maria da Graça é uma fascista de primeira apanha, deixo de lidar com ela e conto a toda a gente; se descubro que o Zé Paulo é um porco que só quer ganhar dinheiro à custa dos migrantes que, segundo o próprio, está a “ajudar”, “deixando” que 50 pessoas durmam no chão daquele casarão sem condições ganhando com isso, digo a toda a gente que conheço e deixo de lidar com ele. Ofendem-me pessoalmente e prejudicam a cidadania. Deixo de lidar.

Aplico esta regra aos negócios e empresas. Como acho abusivas as taxas cobradas pelos bancos, não pago com cartão negócios pequenos, nem tenho o serviço n’Os Infantes. Evito ir às compras ao domingo, porque acho que os funcionários dos hipermercados têm direito a estar com a família. Nestes dois exemplos que dei, há uma coisa em comum: eu é que me lixo. No primeiro caso perco os clientes que vão “só ali levantar dinheiro” e já não voltam – possivelmente porque nunca chegam a encontrar uma das raras caixas multibanco do centro histórico de Beja; no segundo caso, o domingo é o dia que eu tenho livre e me dava mais jeito despachar as compras e preparar a semana. Lixo-me, mas é assim.

Sou completamente insignificante e os meus boicotes têm nenhum efeito prático. Analisando a fundo, ao boicotar uma grande empresa estou na verdade a boicotar a minha própria vida. Mas caramba! Faço o quê? Finjo que não sei que a Procter & Gamble continuou a vender tampões depois de saberem que estes estavam a provocar a morte e doenças graves às consumidoras? Finjo que não sei que a Nestlé conscientemente matou e provocou malformações e deficiências graves a milhares de bebés e crianças em países sub-desenvolvidos? Assobio para o lado quando sei que a Johnson & Johnson sabia perfeitamente das consequências cancerígenas que advinham do uso continuado do seu pó-de-talco? Há muito mais, mas fico por aqui, tenho um número limitado de caracteres – e o mundo é um calhamaço sem fim. E penso agora na importância de um acento: carácter, afinal é disso que falamos, não?! Alguns dos boicotes não consigo cumpri-los na íntegra: a minha gata só come Friskies que é uma das marcas pertencentes à Nestlé e eu gosto que a minha gata coma, mas já não provo um Twix há que tempos, por exemplo. Deixei de usar Tampax, Evax, Ausónia, Fairy, Neoblanc, entre outras, todas pertencentes à P&G. É muito difícil de saber todas as coisas que eu não posso comprar e por isso quando vou às compras, levo duas listas: uma com o que preciso, outra com o que não posso comprar. Também boicotei a Chiquitita, mas este é um boicote básico: são só bananas.

O Qatar é um país onde os direitos básicos humanos não estão sequer perto de serem respeitados, a construção de estádios significou a perda de milhares de vidas e profundo sofrimento a outras tantas que vivem no limiar da escravatura. Tal como muitos migrantes no nosso país. A nossa veia negreira continua viva e pulsante!

O processo que levou o Mundial de Futebol para o Qatar é profundamente sujo, pantanoso. A própria FIFA é uma organização muito pouco limpa ou transparente. Se eu gosto de futebol? Nem por isso, como já aqui escrevi noutro texto, prefiro a bola. São duas coisas diferentes. A bola é uma desculpa para me sentar numa esplanada a beber imperiais, a comer uns caracóis e emocionar-me com a emoção dos outros.

Fará alguma diferença ao mundo eu não ver os jogos do Mundial? Não. O que faria diferença era os jogadores dos milhões recusarem-se a jogar. O que faria diferença era as selecções posicionarem-se de forma mais veemente (façamos justiça, há quem esteja a falar sobre isto, mas claramente não chega). O que faria diferença era os representantes dos governos não comparecerem aos jogos e explicarem porquê. O que talvez fizesse diferença era as federações de futebol dizerem: «senhores da FIFA, a gente assim não brinca» e baterem com a porta.

Falo disto não porque queira boicotar a selecção nacional, mas se ela não se esforça por andar direita, não deveria eu fazer alguma coisa? Exigir-lhe que se endireite?

É que eu acho mesmo importante tentarmos ter a espinha direita, e sei, por experiência própria, que é mesmo muito difícil consegui-lo. No entanto, é fundamental tentar, e isso requer esforço, atenção e vivo espírito de cidadania. É que o mundo que nós criámos, a vida como a vivemos, mesmo sem grande intervenção nossa, encarrega-se de nos ir vergando.  Quando damos conta andamos com o nariz no chão e isso não é posição digna para um cidadão.

*verso da música “Portugal, Portugal” do grande Jorge Palma

Uma opinião sobre “Não se pode estar direito

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s