Sofia, de gola alta, com vestido comprido, a cogitar sobre cogitações

excogitações Sofia O abominável existe. Da mesma forma que o género humano é capaz de criar os mais belos poemas e as músicas mais extraordinárias, de pintar os quadros mais admiráveis, de praticar atos de ternura e de luxúria absolutamente inesquecíveis, também é capaz de destruir física e psicologicamente um seu semelhante por mero capricho, … Continuar a ler Sofia, de gola alta, com vestido comprido, a cogitar sobre cogitações

Sofia já encontrou o Nemo e agora vai procurar a primavera

excogitações Sofia Sofia||Expoente M Rádio Eu gosto desmesuradamente da Primavera. Também gosto da Carla, da Márcia e da Patrícia, mas de todas a minha preferida é a prima Vera. Gosto desta sensação de desabrochar, das florinhas nos campos verdejantes do por-do-sol alaranjado a fazer o amor com o horizonte, porque linda é a poesia, a … Continuar a ler Sofia já encontrou o Nemo e agora vai procurar a primavera

O voto de Sofia

excogitações Sofia Sofia||Expoente M Rádio Escrevo-lhes estas palavras escarrapachada no meu sofá king size (não é que o sofá seja grande, mas como sou pequenina é king size), com um pijaminha lindo que comprei no natal para usar no primeiro trimestre do ano de trabalho. E umas meias de lã, e mais uma ou outra coisa que deixo … Continuar a ler O voto de Sofia

Boas festas & esses disparates todos

excorgitações Sofia Sofia||Expoente M Rádio Sempre me irritou solenemente (e quando conjugo o verbo irritar e lhe dou solenidade é porque a coisa é séria) aqueles babosos que nos vestem com o olhar e vomitam o boas festas no corpinho todo. Possivelmente estes tipos são os mesmos que enviam fotografias não solicitadas dos pirilaus enrugado, cientes … Continuar a ler Boas festas & esses disparates todos

Dormindo com o inimigo: a alegoria das arsenetes

excorgitações Sofia A expressão gajanetes foi cunhada no léxico político português no curto reinado de pedro santana lopes, quando começou a ser curial a vox populiressabiada referir-se às apoiantes femininas do então primeiro-ministro por santanetes.  Aqui pelo burgo, a expressão começou a divulgar-se com as pulidetes, tendo atingido o apogeu com a vitória eleitoral do paulo … Continuar a ler Dormindo com o inimigo: a alegoria das arsenetes

momentos ao sal 

excorgitações Sofia Vieste. Com um sorriso. Maroto. Ofereceste-me o riso. E sardinhas. Mar azul. água pornograficamente quente. Ceviche e muxama. E regressámos. A dois. Para uma água obscenamente fria. Deste-me a mão. Levaste-me a passear. Fizeste-me rir. Falaste-me do vento norte, como na canção do espadinha. Desligámos a televisão e acendemos as velas. Canela. Sempre … Continuar a ler momentos ao sal